quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Vísceras

Olá, amigo. Olá, amigo.

Nos conhecemos muito cedo. O engraçado é que você me conhece mais do que eu lhe conheço. Quem é você? Você nunca me responde. Mas você sabe de tudo. Eu sei disso. 

Você nunca fez uma aparição. Você sequer existe. Então por que estou falando com você? Ah.
Estou desabafando. É isso que você pensa que eu estou fazendo? Mas você sabe de tudo. Se é isso que pensa, provavelmente está certo. 

Você é criação minha, mas eu não tenho controle sobre você. Você é quase um ser independente. Mas ainda precisa de mim. Assim como eu preciso de você. Do que eu estou falando? Você não é nem mesmo real.

Deixe eu lhe contar um fato. 

Acho que você precisa de um nome. Vísceras. Esse é o seu nome agora. Por quê? Não gosta? É sempre assim. Mas você se chamará Vísceras.

O ano está acabando. Reta final. Todos estamos ocupados querendo concluir o que não fizemos. Motivados pelo natal e pela promessa de um novo ano promissor que trará tudo de bom para nossas vidas. Hipocrisia, Vísceras. Hipocrisia. Ele não trará nada. Nós traremos. Você trará, eu trarei. Ele não. Repetimos este ciclo vicioso por vários anos consecutivos. Fazemos isso buscando conforto. Comodidade. Ninguém quer batalhar de verdade. Dane-se a porcaria do próximo ano. Serei amaldiçoado por dizer isso? E se eu vestir preto na virada do ano? Dane-se. Ainda estamos em 2015. Merda... Merda, merda, merda, merda. 

Então escute, Vísceras. Só há uma maneira de parar com isso. E é algo que ninguém faz. Porque são covardes. Somos todos covardes. Você não. Mas eu sou. Comodidade. Que palavra estranha. Estamos todos presos em nossas comodidades? É claro que não. É porque somos medrosos. Temos medo. Medo de brilhar. Medo de fazer algo diferente. Medo é diferente de comodidade. Parece tudo igual. Não é. Pro inferno essa definição! 

É chato. Chato demais. Viver sem emoção é chato. Mas o que é emoção? Como se aplica emoção à vida? Liberando adrenalina em situações incomuns? Ou ela é relacionada aos sentimentos propriamente dito?

Emoção é euforia. Minha forma de ver emoção é deturpada, Vísceras. Para mim, emoção é tão relativa e abstrata quanto a arte. Aquelas artes indecifráveis e sem nexo de museu. Emoção é um sentimento de egoísmo. Só existe emoção quando ela faz bem para você. Se não fizer, ela é chamada de infortúnio e dor no peito. Que sem graça. Tudo tem que circundar à nossa volta. Se não, não tem graça e nem emoção.

Odeio quando as pessoas estão felizes. Com o sentimento à flor da pele. Não tem graça, por que teria? Não é comigo. Não é mesmo. E mesmo se fosse, eu não reagiria assim. Isso não tem emoção. Emoção é fazer outra coisa. Se alguém me pedisse dinheiro emprestado, eu provavelmente chutaria o rosto dessa pessoa, por que ninguém faz isso. Chutaria até ELE me emprestar dinheiro. Com o rosto mergulhado ao sangue, hematomas púrpuros e inchados do tamanho que até Deus duvida. Emoção é fazer algo novo. Mas quem sou eu para dizer isso, se pessoa alguma pede dinheiro para mim? Não é moral e eticamente incorreto fazer isso, afinal? Mas a emoção não seria o chute. Seriam as consequências. A sua reação, a reação dela, das pessoas aos arredores, mais tarde de seus familiares e dos dela. Talvez a própria polícia. Isso é emoção. Viver no limite de um ato inconsequente. 

Não é isso?

Não. Emoção é viver cada hora de sua vida de modo diferente. Se não estagna. A inércia é ruim para a vida. Não aquela inércia, essa inércia. Se estagnar, então é o fim. Não tem mais graça e emoção. 

Tem que ser diferente, sempre.

Mas até onde vai esta fome por mudança? Pois quanto mais temos, mais queremos. Então somos seres idiotas que perseguem um pedaço de carne amarrado em um suporte de madeira que nunca é possível alcançar? Correr até cansar e morrer de cansaço e desidratação ou cair em um abismo? Que seja. Eu quero emoção. Cair no abismo é emoção. Correr é emoção. Então que essa corrida sem propósito e finita seja cheia de euforia. Porque é isso que é a emoção.

Emoção é correr atrás da emoção. Mas sou estúpido de mais para perceber isso. 

Escute novamente, Vísceras. O nosso problema, o nosso verdadeiro problema é se importar. Vamos comigo? Caminhar até aquele lugar. Lá, daremos um tiro em nossa cabeça. Não vamos morrer. Viramos lenda. Esse tiro é para acordar. É para perder tudo e acordar. Então estaremos livres para...

Você é uma invenção da minha cabeça. Por que estou falando com você? Vísceras, irei arrancar suas vísceras e me banhar com elas. Por quê...? Oras!

Olá, amigo. Acho que eu deveria lhe dar um nome. Quem é você? As coisas precisam de um fim. Mas só quando há um início. Pois um fim não acontece para quem é inútil. O que acontece é a derrota. 

Babaquice. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário